Home/ Editorias/ Empreendedorismo/ Empreendedorismo Compartilhado 47

Empreendedorismo Compartilhado

‘Nenhum sonho construdo s’, j dizia o dito popular. No artigo desta semana o colunista professor Wanderley Rodrigues Junior nos convida a refletir sobre a necessidade de se contar com scios ou parcerias para poder empreender. “Ruim com ele, pior sem ele?”, questiona o professor. 
 
Wanderley 2016Publicado- 20-03-15
Colunista-Wanderley Rodrigues Junior, bacharel em Letras, tradutor e intrprete, coordenou a Academia de Micro-finanças do Banco São Paulo Confia, realizou cerca de 27 mil capacitações em empreendedorismo, micro-finanças e marketing pessoal. Atualmente ministra palestras sobre empreendedorismo, marketing Pessoal e lngua portuguesa para concursos pblicos.
Foto- Edi Souza e Nalva Lima
 
Começar um empreendimento sozinho não nada fcil. Começar em grupo, seja que tamanho for, talvez seja pior ainda! Mas aquele chamado “mal necessrio”. Ou ainda “ruim com ele, pior sem ele”, sabe?
 
Evidentemente quem optar em dividir responsabilidades e trabalho uma atitude que demonstra inteligência e perspiccia. mais fcil erguer um halteres de 100kg sozinho ou com uma pessoa em cada uma de suas extremidades?
 
Mas eis o primeiro desafio: você est preparado para dividir as suas atribuições, h confiança em você mesmo para que comece a delegar tarefas e responsabilidades? A pior parte deste trabalho entrarmos em reflexão com ns mesmos e medir o grau de nosso egosmo e arrogância; reflita: o quanto estou preparado em poder confiar uma responsabilidade at então minha a uma terceira pessoa? Serei forte para, a partir do momento que passei o bastão, não me intrometer em suas decisões e ações?
 
Se o autocontrole estiver bem calibrado, você est pronto para seguir em frente e começar a avaliar quem chamar se concretizar esta união?
 
Os primeiros a entrarem não poderão ser desconhecidos. E mesmo escolhendo conhecidos, pode-se haver um engano gerado pela simpatia excessiva pr-existente entre uns e outros. Lembre-se de que estamos construindo um negcio que ser para durar e não um encontro de duplas para uma partida de cartas de final de semana, ok?
 
Chame para um conversa franca e direta os conhecidos de quem você se lembrou. Divida com todos, durante a promoção de uma reunião bem agradvel e tranquila, o seu plano de negcio, seu projeto inicial, seus objetivos e metas para um futuro prximo.
 
Neste momento de bate-papo descontrado, você começar a descobrir as aptidões de cada um do grupo de maneira espontânea e muito clara. A partir dessa percepção, pode-se ir oferecendo cargos e funções especficas aos amigos, mas sempre os deixando vontade para o aceite ou recusa, afinal de contas nada, acima de tudo, poder estragar os laços de amizade de anos a fio, não mesmo?
 
Muito provavelmente uma nica reunião não dever ser suficiente para se concluir a formação do grupo empreendedor.
Coloque sobre a mesa os pontos importantes a serem desenvolvidos no futuro empreendimento e colha as opiniões de cada um, sem contestar ou com negativas incisivas e crticas cidas. Desenvolva as ideias lançadas, peça opiniões e sugestões de quem est presente. O momento para que apareçam furos no plano, defeitos no planejamento que, muitas vezes, o prprio autor não vê, não os enxerga, pois os olhos do vizinho sempre serão mais crticos.
 
Caso necessrio reformule, volte prancheta de desenho e aprimore.
 
Uma vez cada um tendo aceito a sua mais nova posição dentro do empreendimento, estabeleça prazos de entregas de relatrios de desempenho e j marque algumas reuniões que deverão se tornar peridicas.
 
de extrema importância de que o grupo esteja em sintonia, acreditando no modelo de negcio, construir uma confiança mtua, mostrar comprometimento e sede de crescer.
 
Mesmo assim não raro que pequenos conflitos surjam, por isso a importância das reuniões, neste primeiro momento, em uma constância peridica. a oportunidade em compartilharem os seus pontos de vista, sugestões e adequações nova realidade comercial e perante aos demais funcionrios ficar clara a imagem de que são colaboradores de um grupo unssono em que podem continuar trabalhando com tranquilidade e confiança.