Home/ Editorias/ Empreendedorismo/ Paixo Cega 70

Paixão cega

O colunista e professor de empreendedorismo Wanderley Rodrigues Junior, na edição desta semana afirma:“O empreendedor que est empenhado e determinado em seus ideais quer, acima de tudo, fazer e trazer mudanças positivas não s para consigo, mas para o mundo, com o intuito final de torn-lo em um lugar melhor para se viver”.
 
Publicado: 27/08/15
Colunista: Wanderley Rodrigues Junior, bacharel em Letras,  Tradutor e Intrprete, coordenou a Academia de Microfinanças do Banco São Paulo Confia, realizou cerca de 27 mil capacitações em empreendedorismo, microfinanças e marketing pessoal. Atualmente realiza palestras sobre empreendedorismo e marketing  pessoal e ministra  Lngua Portuguesa para candidatos a concursos pblicos.
Foto: Edi Souza e Nalva Lima
 
Wanderley 2016Se empreender chegar realização de um sonho, de um ideal, isso significa que o empenho da pessoa para tal esteja sendo motivado pelo amor a este trabalho que ela esteja fazendo, correto? Digamos que seja um amor incondicional at.
Mas cuidado: o amor em excesso pode tornar-se uma paixão avassaladora com efeitos contrrios e perniciosos em sua prpria origem, afinal tudo que em excesso torna-se prejudicial.
 
O empreendedor que est empenhado e determinado em seus ideais quer, acima de tudo, fazer e trazer mudanças positivas não s para consigo, mas para o mundo, com o intuito final de torn-lo em um lugar melhor para se viver.
 
O que a pessoa não acaba percebendo, mergulhada frentica e profundamente neste sentimento, que, em meio sua busca diria para tal realização, ela pode entrar em um mundo de rotinas dirias e, o que pior, começar a transformar o que era um sentimento de felicidade em um sentimento de cio e de desmotivação, pois nota que tudo acaba por tornar-se apenas uma rotina intil. A rotina enjoa!
 
Empreender não s sustentar a realização de um sonho, mas a contnua procura por novos desafios, uma busca de soluções para eventuais problemas, at se antecipando a eles, fazer de cada decisão tomada uma surpresa de resultados.
 
A felicidade e a satisfação empreendedora não se originam do que você se programou a fazer ou ama simplesmente, mas do que você realmente esteja fazendo para que os efeitos surjam e se sobressaiam por si s.
 
São as pesquisas dirias por notcias e novidades no mercado, a camaradagem com os seus colaboradores, o planejamento em se ganhar mais um cliente, a satisfação em encontrar a solução de um problema at visto em outra empresa, fechar uma parceria inusitada ou um novo negcio que lhe trar a satisfação no que estiver fazendo.
 
Você deve estar apaixonado não s pela sua ideia inicial, mas tambm pelas tarefas dirias que fazem o empreendimento continuar andando.
Continuar a amar o que faz preciso sim, no entanto, deixar que este amor vire uma paixão poder criar armadilhas. A pessoa que investe tanto em suas ideias, apenas as enaltecendo, pode ficar cega perante as oportunidades de crescimento e expansão dos negcios.
 
Concentre-se não s em seu trabalho, mas naquilo que esteja acontecendo ao seu redor e no você esteja atuando. Expanda, então, essa sua paixão não s pelo seu produto ou serviço, mas pelos resultados de sucesso da equipe como um todo, pela superação dos problemas em que todos estavam engajados e por passar a concorrência fazendo o negcio crescer e conseguir ver a alegria de satisfação do trabalho dirio no semblante de cada colaborador seu.
 
Lembre-se sempre de que o sucesso nos negcios e na sua carreira vem de um amor que não est apenas atrs de sua mesa, mas do que você est fazendo junto e pela sua equipe. O amor, ou que seja paixão, s colhe bons frutos quando sai da individualidade e acolhe a pluralidade.