Home/ Editorias/ Empreendedorismo/ Agradar a quem? 71

Agradar a quem?

Na coluna desta semana o professor Wanderley Rodrigues Junior, fala sobre a importância de pesquisar o mercado, oferecer novidades e agradar a diversos perfiz de consumidor (confira). 
 
Publicado: 03/09/15
 
Colunista: Wanderley Rodrigues Junior, bacharel em Letras,  Tradutor e Intrprete, coordenou a Academia de Microfinanças do Banco São Paulo Confia, realizou cerca de 27 mil capacitações em empreendedorismo, microfinanças e marketing pessoal. Atualmente realiza palestras sobre empreendedorismo e marketing  pessoal e ministra  Lngua Portuguesa para candidatos a concursos pblicos.
Foto: Edi Souza e Nalva Lima
 
Wanderley 2016A motivação pela qual você chegou a empreender não deve ser confundida com a realização de uma satisfação pessoal em sua plenitude nem com a colocação em prtica de seus gostos e preferências frente de seu pblico.
 
Uma coisa o empreendedor ter tornado o seu sonho em realidade comercial e, com isso, ganhar prestgio, sucesso e dinheiro com aquilo que gosta e se identifica. Outra coisa aceitar a realidade que o mercado exige e conseguir adaptar-se s suas predileções. Não se pode mais, hoje em dia, ficar engessado para não ficar para trs.
 
Por exemplo, se a sua intenção for abrir uma loja de cosmticos nem pense em colocar escovas de cabelo apenas com os cabos com as cores de sua preferência. Tem de haver um sortimento de cores e modelos para não acabar restringindo a clientela. Pesquise a cor do batom ou do esmalte que est na novela das nove e com as celebridades, mesmo que seja a seu contragosto. 
 
O pensamento pode at vir como um “nossa, eu nunca usaria isso”, mas coloque na sua cabeça que você abriu um empreendimento que satisfez o seu ego, o seu sonho, mas quem vai consumir uma outra pessoa, o seu cliente final e a ele que você deve servir. 
 
Agora você no papel de realizador de sonhos e desejos. Seja um gênio da lâmpada eficiente e obediente!
 
E mais: veja o processo todo comercial e empreendedor como uma via de duas mãos. De um lado chegar sempre algum procurando por algo e o outro ter que saciar esta procura com uma generosa oferta sempre de imediato desse algo. Mesmo porque se não o fizer, a concorrência j est de olho neste cliente que saiu de sua loja sem uma sacolinha na mão.
 
fato j comprovado: o cliente que não encontra o que quer e como quer não volta. E o pior: ele ainda espalha a quem lhe perguntar que a loja X nunca tem nada. Isso mesmo! Um nico item que ele não encontrou em uma nica ida ele j generaliza drasticamente como “tudo”, “nada”, “ningum”.
 
A dica manter-se atualizado acompanhando os programas de TV, pesquisando em revistas dos famosos o que est em alta, o que poder virar uma tendência, a prxima moda em todos os sentidos, reas e idades.
 
Por exemplo, soube ganhar muito dinheiro quem se aproveitou da poca das telemensagens (agora desenterrei do fundo do ba, heim?!). Foi um “boom” essa moda em se passar mensagens fonadas pessoa amada, paquera, enfim, um presente inusitado que apareceu, viralizou (como se diz hoje), mas acabou desaparecendo tão rapidamente quanto surgiu.
 
Da mesma forma um apetrecho que aparece em um captulo de novela, j no outro dia est nas ruas nas mãos dos camelôs. E eles sabem aproveitar a deixa, pois tambm sabem que mais uma moda passageira.
 
Mas não v com muita sede ao pote. Saiba limitar-se em expor e vender poucas peças e de maneira bem sortida. Não adianta estocar nmero grande de mercadorias. Se acabar rpido (tomara!) volte a comprar um pouco mais e assim v trabalhando. 
 
Tentar agradar a clientela saber agradar o seu livro-caixa e manter a sua contabilidade sem sair de moda.