Home/ Noticias/ Compartilhar de Profisso: Dana e transformando o mundo

Profissão: Dança e transformando o mundo

 Descrição de Imagem: Carla Ramalho, professora de educação fsica e dançarina, veste uma blusa rosa e uma calça preta, esta com os cabelos soltos e posa para foto. Fim da descrição de imagem
A professora de Educação Fsica e dançarina Carla Ramalho, apresentava em uma s pessoa, todos os indicativos de fatores sociais para não dar certo na vida, mas Carla quebrando todos os paradigmas existentes construiu e continua construindo uma histria de empreendedorismo e sucesso de deixar muitos PHDs ‘a ver navios’ (confira).
 
 
Publicado: 18/08/15
Texto: Regina Ramalho
Foto: Edi Sousa Studio Artes.
 
A mãe de Carla aos 9 anos fugiu de casa para morar com o seu pai. Carla tem 11 irmãos, seu pai foi embora e Carla e os irmãos passaram a ser criados, por um padastro.
Aos 10 anos de idade, mesmo contra a vontade do padastro, Carla começou a trabalhar nas ruas da cidade, primeiro vendendo balas dentro dos ônibus e depois nos faris.
   Descrição de Imagem: Carla Ramalho, professora de educação fsica e dançarina, veste uma blusa rosa e uma calça preta, esta com os cabelos soltos e posa para foto. Fim da descrição de imagem
“Era muita gente em casa, eu tinha que ajudar a comprar o bsico, o farol era mais cansativo, mas dava mais lucro e não perdia mercadorias, como frequentemente acontecia dentro dos ônibus”, ela conta.
Carla conta que sempre gostou de dançar e sonhava em estudar bal, como suas amigas da rua, mas sua mãe não tinha condições de pagar.
  
“Meu irmão dançava Hip Hop em um centro cultural e começou a me levar para aprender a dançar com ele e foi l que minha carreira com a dança começou”.
  
Carla relata para a equipe de jornalismo do Pr Trabalhador quais foram suas maiores dificuldades em trabalhar nas ruas.
  
“ um trabalho de muito risco, muita exposição e sem a proteção dos pais, por diversas vezes fui ameaçada por meninas que queriam cortar o meu rosto com gilete, porque me achavam mais bonita do que elas e por isso, vivia fugindo”, diz.
  
Mesmo trabalhando nas ruas, Carla se destacava das demais crianças, por estudar, ter casa e famlia.
“Na escola as mães não deixavam brincar comigo, pois eu trabalhava na rua, na rua as meninas não me aceitavam por ser diferente, sofria bullying dos dois lados e não tinha amigas”, ressalta.
  
Repetindo a histria da mãe Carla se casou jovem:
 
“Com 15 anos fui morar com o meu namorado, porque meu padastro não deixava eu namorar, aps quatro anos eu engravidei e logo depois me separei. Com 18 anos comecei a trabalhar como recepcionista em uma escola de dança e tive espaço para apreender mais sobre a dança. Foi então que pensei: necessito fazer disso uma profissão e quero entender mais sobre o corpo assim ingressei na faculdade”.
  
O mundo acadêmico e seus paradigmas:
  
Carla fala sobre as dificuldades de conciliar o trabalho, a famlia, os estudos e conseguir pagar o curso universitrio.
“A mensalidade era alta, estudava de manhã, trabalhava durante o resto de dia, a tarde conciliava com a famlia e virava a noite estudando. Ganho por aluno, e Deus foi tão bom, que eu entrei na universidade e mais alunos passaram a solicitar minhas aulas”, lembra.
   
“Entrei na escola com 9 anos, faltava muitas vezes para trabalhar, fiz supletivo e entrei na faculdade apenas com três meses de cursinho e foi muito difcil”, declara.
  
Com 22 anos, Carla estudava com colegas de 17 anos, em uma universidade onde as exigências eram muitas e as cobranças tambm.
  
“Cursava 10 matrias e logo de cara, reprovei em 5 disciplinas, mas estava feliz, pois para uma ‘semi analfabeta’, com uma histria de vida tão diferente dos colegas, aquilo j era uma vitria”.
  
Carla acredita que todo professor de dança tinha que ter noções de Educação Fsica para evitar lesões.
  
“Com a graduação consegui ver meu aluno como um todo, quando ele não conseguia fazer algum movimento, buscava maneiras de auxilia-lo, mas não como fazem por a: ‘Esse exerccio assim ’, e sim fazendo uma avaliação mais completa do tipo: Est faltando força? Não entendeu o movimento? Falta condicionamento fsico? Etc...”.