Home/ Editorias/ Mundo do Trabalho/ Fundacentro: Prepara jovens multiplicadores de SST no RJ

Fundacentro: Prepara jovens multiplicadores de SST no RJ

 
Prof Capa
A equipe de jornalismo do Pr Trabalhador esteve essa semana na Fundacentro para conhecer projeto piloto que est instruindo jovens e multiplicando conhecimentos da promoção em Segurança e Sade do Trabalhador (SST) em escolas e FAETECs do RJ. Confira entrevista exclusiva com a presidente da fundação, professora Maria Amlia Souza Reis. 

Publicado: 10/08/15
Texto: Regina Ramalho 
Foto: Edi Sousa Studio Artes. 
 professora I
A Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho (Fundacentro), realiza um trabalho integrado ao Ministrio do Trabalho e Emprego, realizando estudos, pesquisas e difundindo conhecimentos sobre Segurança e Sade do Trabalhador. A Fundacentro atua em parceria com rgão de vigilância e inspeção do trabalho, fornecendo assessoria tcnica e SST e tambm colaborando com a Organização Mundial de Sade. 
 
Durante a entrevista a presidente da Fundacentro, professora, Maria Amlia, explica a importância de uma ação conjugada entre diversos rgãos, para mesmo com poucos recursos realizar a difusão de conhecimentos sobre SST, para o maior nmero de pessoas. 
 
“Escolhemos começar o projeto no Rio de Janeiro, porque alm de possuir uma forte vocação miditica, a cidade abrigar as Olmpiadas e Paraolimpadas em 2016, sendo assim um cenrio ideal para ampla divulgação das informações relacionadas a SST”, explica Maria Amlia. 
 
A professora conta que o trabalho humanitrio feito em campanhas sobre SST dentro das escolas vai auxiliar na integração dos chamados temas transversais, promovendo uma integração entre os professores, palestrantes, estudantes e a sociedade; em uma linha de construção do conhecimento inspiradas no educador Paulo Freire e do antroplogo Darci Ribeiro.
 
“O conhecimento deve chegar at a sociedade, mas para isso, devemos descontruir alguns conceitos, por isso, os jovens e as crianças podem auxiliar muito neste processo, pois os mesmos ainda não possuem conceitos formados e estão mais abertos a uma construção nova e crtica sobre a SST”, afirma a professora. 
 
O objetivo orientar e capacitar multiplicadores junto a comunidade, sobre ações relacionadas a implementação e promoção da SST, por intermdio de oficinas e palestras
 
“As crianças e os jovens podem ser fortes agentes multiplicadores de conhecimentos, por estarem mais abertas a informação, um menino, vai auxiliando outro menino e em pares vão levando o conhecimento para sua casa, bairro e sociedade”, expõe a professora. 
 
Segundo a professora o sujeito que ao se reconhecer como indivduo e parte da histria, começa tambm a contribuir para as mudanças dos outros indivduos e mudanças do cenrio coletivo. 
 
Para reforçar a proposta do projeto da Fundacentro e ressaltar a importância de se capacitar multiplicadores dos conhecimentos sobre SST, Maria Amlia conta um case de um jovem da comunidade de Barreira do Vasco RJ. 
 
“H alguns anos, tivemos notcias de um jovem de uns oito anos que mora na comunidade de Barreira do Vasco no RJ, que sensibilizado em sua escola sobre os problemas de falta de saneamento bsico e coleta de lixo, juntou um grupo com mais de trinta outros estudantes e na laje de sua casa, promovia encontros para juntos criarem ideias para limpar os entornos de uma vala que cortava a  comunidade e conscientizar a população, para que não jogassem mais lixo ao cu aberto; e ainda foram ouvir os lixeiros para entender de que maneira poderiam auxili-los inclusive fazendo a separação correta do lixo em casa e a ação deste menino foi um agente transformador para aquele bairro”, lembra. 
 
A Fundacentro est trabalhando com um sistema de multiplicação do conhecimento, onde os alunos das escolas tcnicas,  trabalham com os mais novos, formam grupos de ações voluntrias, motivados por ideias em comum. 
 
Para a professora Maria Amlia difundir e trabalhar os conhecimentos sobre SST mesmo com poucos recursos possvel atravs de: 
 
“Estudantes que passam a pensar o seu conhecimento fora da caixinha, formam um compromisso uns com outros e dentro desta rede do conhecimento em SST, engajam os professores e comunidades, na promoção da cultura da prevenção nas escolas, por intermdio de uma metodologia de trabalho no qual a “criança ensina criança” e a educação segue crescendo pelos pares”, revela.
 
Por fim a educadora convida a outras instituições, empresas e principalmente o movimento sindical e a mdia a abraçarem com mais afinco a multiplicação do conhecimento SST. 
 
“Ningum se educa sozinho, pois ns somos  seres sociais e  necessitamos uns dos outros para que ocorram as transformações necessrias para a melhoria da sociedade”. 
 
Outras informações: 
 
http://www.fundacentro.gov.br/