Home/ Editorias/ Mundo do Trabalho/ Cinismo Viril e o sofrimento psquico causado a Mulher Trabalhadora

Cinismo Viril e o sofrimento psquico causado a Mulher Trabalhadora

CertificadosUm dos pontos altos do seminrio promovido pela Secretaria Estadual da Mulher Trabalhadora da CUT: “Sofrimento Psiquco no Trabalho” foi um convite ao debate, reflexão e descontrução do cinismo viril. Leia entrevista exclusiva com a psicanalista Dbora Felgueiras e o relato de Maria vtima de sofrimento psquico.

Publicado: 07/08/15
Texto: Regina Ramalho 
Foto: Edi Sousa Studio Artes. 
 
Na abertura dos trabalhos, a Secretria Estadual da Mulher Trabalhadora da CUT/SP, Vice-Presidenta do Sindicato dos Servidores Pblicos Municipais de Presidente Prudente (SINTRAPP) e Coordenadora Geral da Escola Sindical São Paulo, Sônia Auxiliadora Vasconcelos Silva, explica: 
 
“A ideia deste seminrio nasceu das atividades que estamos realizando junto aos grupos mensais de discussão do Coletivo de Mulheres da CUT-SP em conjunto com a sociloga e psicanalista Dbora Felgueiras, formada pelo Departamento de psicanlise do Instituto Sedes Sapientiae e a discussão do tema tambm vai continuar ao longo do ano em outras atividades propostas no grupo”, diz Sônia. 
 
Tambm participou da mesa a psicloga e psicanalista, Cleide Monteiro. Segundo a pesquisadora, para combater as ações que causam o sofrimento psquico dentro do ambiente de trabalho necessrio a promoção de dilogos.  
 
“Criar espaços para conversar, contar histrias e questionar as crenças vigentes, permite que prestemos mais atenção no ser humano”, sugere. 
Cleide comentou que j existem pesquisas que mostram que a chamada geração “Y”, vem apresentando maior resistência s pressões que podem causar sofrimento psquico usando inclusive como alternativa uma busca pelo empreendedorismo. 
 
Outro estudo pontuado por Cleide um alertar para o aumento no nmero de suicdio dentro do local de trabalho, cometido por gestores, com maior escolaridade e aps reuniões e atividades de concentrações e planejamento de diversas reas, o que segundo Cleide mostra que o sofrimento psquico não est nesta ou naquela função, mas nas estruturas e processos de trabalho.  Por isso a psicanalista recomenda: “ necessrio mudar os procedimentos”, afirma. 
 
Em entrevista exclusiva a agência de notcias do Pr Trabalhador, a sociloga e psicanalista, Dbora Felgueiras responde: 
 
Pr Trabalhador: Quais os principais sintomas que alertam para o alcance do sofrimento psquico em razão do ambiente ou processos de trabalho? 
 
Debora: A identificação s vezes muito sutil, pois nem sempre o indivduo adoece logo. As relações acontecem de forma velada, normalmente fazendo com que a pessoa sofra um desvio de função, ou a desvalorização do trabalho.
 
Pr Trabalhador: O que fazer para melhorar este sofrimento? 
 
Debora: Conversar com outros colegas e identificar a presença dos mesmos sintomas (conversando o indivduo j se sente at aliviado, pois percebe que não s com ele, mas sim fruto dos processos de trabalho).
 
Se unir a grupos de enfrentamento. Nos grupos um individuo se ve no outro e juntos se tornam mais fortes para o enfrentamento. Buscar denunciar a agressão aos sindicatos e outros rgãos para que outros tambm não sofram com os processos. 
 
Durante a fase de debates as pessoas que assistiam enviavam perguntas a mesa e tambm faziam pontuações. Mais de um sindicalista presente afirmou que necessria uma participação mais intensa do movimento sindical para não deixar que o trabalhador adote o discurso da empresa que repassa para o individuo a responsabilidade que da organização. 
 
Tambm foi consenso nas exposições, que por serem ainda a maior parte dos cargos de chefias ocupadas por homens, as mulheres serem mais exigidas e vtimas do chamado: Cinismo Viril: atitudes muitas vezes machistas com relação ao trabalho executado por mulheres,  com assedio e imposições de metas  que ferem a sua feminilidade e desqualificam seu trabalho em detrimento aos homens .
 
 Mas nem sempre o sofrimento psquico causado somente por chefes homens. 
 
O relato de Maria:
 
Nossa equipe entrevistou Maria (que preferiu não se identificar), vtima de sofrimento psquico causado por processos de trabalho abusivos na fase mais bonita da sua vida. 
 
Maria relatou a nossa equipe que durante a gestação da sua filha, foi vtima de tamanha pressão psicolgica realizada por sua coordenadora, que chegou at mesmo a entrar em trabalho de parto prematuro durante o horrio de trabalho. 
 
Maria relata que trabalhava em um rgão pblico como cargo de confiança e o rgão passava por mudança de gestão. A coordenadora que j era terrvel entrou em parania e começou a querer demonstrar serviço em cima dos colaboradores. 
 
Desviava de função as pessoas, sobrecarregava uns e outros exclua deixando-os por semanas sem ter o que fazer. Costumeiramente chamava a atenção em pblico e de maneira desrespeitosa e por a foi uma lista enorme de humilhações e improprios. 
 
“Teve um dia que tivemos que entregar um trabalho importante e estava dando o prazo estipulado pelo chefe de gabinete e a coordenadora no meio do dia, mandou todo mundo desligar os computadores e irem para suas casas, chamando a todos de incompetentes e aos gritos”, relata. 
 
“Enquanto todos desligavam lentamente seus equipamentos, me aproximei da coordenadora e questionei: fulana... pense bem o chefe de gabinete disse que isso deve sair hoje, como que você vai fazer isso sozinha?”, conta Maria. 
 
Aps o episdio, a tal coordenadora, mandou para casa apenas metade da equipe entre eles Maria. Agora não eram mais todos incompetentes, apenas parte da equipe incluindo Maria, que desde então começou a ser ainda mais perseguida pela gestora, que não se sensibilizava nem com o fato de Maria estar grvida. 
 
As perseguições a Maria s pararam aps a exoneração da coordenadora em razão da troca de gestão, mas as sequelas do sofrimento causaram não s o trabalho de parto prematuro de Maria durante o expediente, mas complicações inexplicveis pelos mdicos que se estenderam at o final da gestação. 
 
O seminrio foi transmitido ao vivo e ainda est disponvel no Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=5du2hRdj6yM&feature=youtu.be
 
Foi inspirado nas teorias e estudos de Christophe Dejours, que diz: “O sofrimento somente suscita; um movimento de solidariedade e de protesto quando se estabelece uma associação, entre a percepção do sofrimento alheio e a convicção de que esse sofrimento resultado de uma injustiça”. 
 
Outras informações: http://www.cut.org.br/