Home/ Editorias/ Sindical/ Proteo Coletiva pode reduzir o nmero de ocorrncias de acidentes de trabalho por ano

Proteção Coletiva pode reduzir o nmero de ocorrências de acidentes de trabalho por ano

Descrição de imagem:Presidente do Sindicato dos Tcnicos de Segurança do Trabalho, Marcos Antônio posa para foto vestindo uma blusa branca com listras. Fim da descrição de imagem

 

Na reportagem especial desta semana a equipe de jornalismo do Pr Trabalhador ouviu o presidente do Sintesp e quis saber qual o perfil ideal para quem deseja atuar ou contratar um Tcnico de Segurança do Trabalho e qual a principal bandeira da entidade na luta para a tentativa na erradicação dos acidentes do trabalho. Segundo o presidente do Sintesp: “Investir na Proteção Coletiva o caminho mais curto para evitar muitas mortes, mutilações e afastamentosnos locais de trabalho”, afirma Marquinhos.


Publicado: 27/07/15
Editato:03/08/15
Texto: Regina Ramalho
Foto: Edi Sousa Studio Artes.
 
 
Para o presidente do Sindicato dos Tcnicos de Segurança do Trabalho no Estado de São Paulo (Sintesp), Marcos Antônio A. Ribeiro (Marquinhos), o investimento em Proteção Coletiva, educação e tambm os cuidados na escolha do perfil da pessoa que ser contratado para implantar o programa de segurança são fatores determinantes para a mudança do triste cenrio revelado em pesquisa indita do IBGE.
 
Segundo nmeros divulgados no IBGE, ocorrem por ano em todo o pas 5 milhões de acidentes de trabalho. São 613 mil trabalhadores com sequelas ou algum tipo de incapacidade por causa de acidentes. Cerca de 1,627 milhões deixaram as atividades habituais e 284 mil foram internados.
 
Pr Trabalhador: Qual deve ser o perfil ideal da pessoa que abraça a carreira de Tcnico Segurança do Trabalho?
 
Marquinhos: O meu interesse por esta profissão começou aps participação em uma reunião de CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes). Aps uma seleção interna para recrutamento de um profissional para o setor de Segurança do Trabalho, fui selecionado e logo em seguida fui fazer o curso de TST, na poca Supervisor de Segurança do Trabalho, sendo que me formei em 1982 na ABPA. Desde então aprendi e sempre digo que para ser um Tcnico de Segurança necessrio gostar de “fazer o bem”, “gostar do ser humano”. Mas infelizmente não isso que ocorre hoje em dia. Pois atualmente muitos passam a atuar nesta rea, atrados pelo piso salarial da categoria (SP), piso este queem muitos casos, profissionais com o nvel superior ainda não conquistaram. Nunca podemos generalizar, mas a grande maioria daqueles que se inscrevem para estudar Segurança  do Trabalho, o fazem devido a anncios espalhados  por ai com os seguintes dizeres: “Comece a fazer o curso Tcnico Segurança no Trabalho e passe a ganhar R$ 3 mil reais por mês”.
 
 Por isso na minha opinião e no meu entender faço o seguinte comentrio: que existem no mercado de trabalho dois perfis deste profissional:
 
Os Tcnicistas = conhecedores somente das normas tcnicas, agindo na maioria das vezes com a razão, dando uma de inspetores ou fiscais, esquecendo-se de que o trabalhador a parte mais frgil do processo produtivo;
 
E os Tcnicos Prevencionistas = profissionais que não deixam de tambm serem bons conhecedores das normas tcnicas, mas antes disto sendo profissionais conscientizadores, possuindo dentro de suas veias o sangueda prevenção, não medindo esforços para salvaguardar a segurança e saude dos trabalhadores, exercendo um papel social dentro da nossa sociedade.
 

Pr Trabalhador: A que as empresas atribuem os altos ndices de acidente de trabalho divulgados na pesquisa do IBGE?

Marquinhos: As empresas tentam muitas das vezes tentam empurrar a culpa dos acidentes para o trabalhador. o chamado: “Ato Inseguro” (dizer que o trabalhador culpado pelo acidente). Quando na verdade a educação do trabalhador nas questões de sade e segurança são falhas. Não temos em nosso meio, tanto do lado do empregador como do lado do trabalhador uma mentalidade prevencionista, se o trabalhador não utiliza o EPI (Equipamento de proteção individual) que muita das vezes sequer foi orientado, não foi conscientizado ou não possui o equipamento. Ou ainda por que o ambiente de trabalho não foi projetado para que exista uma condição salubre aos trabalhadores.

Pr Trabalhador: Quais fatores poderiam contribuir para a melhora do perfil dos Tcnicos de Segurança existentes no mercado de trabalho?
 
Marquinhos: Acredito que em primeiro lugar antes de iniciar o curso de Tcnico de Segurança no Trabalho, todo aluno deveria realizar um teste de aptidão, verificando se o perfil dela condiz com a atuação deste profissional, e em segundo lugar as entidades que formam estes profissionais deveriam passar por uma fiscalização rotineira da Secretaria de Ensino, verificando a qualidade das escolas e a experiências prticas dos seus professores.
 
Pr Trabalhador: Quais as consequências para quem não exerce adequadamente a profissão?
 
Marquinhos: Ns somos uma categoria diferenciada, que poderemos respondemos Civil e Criminalmente pelos atos que cometemos dentro dos locais de trabalho, por isso devemos sempre colocar os nossos conhecimentos prevencionistas a favor dos trabalhadores e do nosso empregador. Mas a grande maioria dos empresrios imediatista e infelizmente não conseguem ver com bons olhos estes profissionais, pois para se ter um bom trabalho em prevenção, o retorno sempre vem a mdio e longo prazo.
 
Pr Trabalhador: No caso da segurança o que mais conta: o comportamento ou o uso do EPI?
 
Marquinhos: O comportamento, se eu vou construir um prdio, primeiramente deveria elaborar um projeto e incluir ali todas questões de segurança tanto na construção do imovel bem como  no processo produtivo. Mas infelizmente não isso que acontece. triste dizer, mas as empresas fazem mega projetos, deixando de  incluir as questões de segurança e sade dos trabalhadores. Desta forma os gastos com certeza serão ainda maiores, pois teremos que readequarmos todo projeto. Por isso, voltamos ao mesmo ponto do incio da entrevista. Primeiro se investe em Proteção Coletiva e depois se pensa na implantação de EPI.
 
Quando falamos em Proteção coletiva, podemos citar uma mquina tão bem protegida em todos os seus aspectos, que mesmo um trabalhador que queira se acidentar, não conseguiria, pois todos os seus pontos de riscos estariam protegidos. duro chegar ao nosso conhecimento que existem   lderes que retiram a proteção coletiva para aumentar a produtividade.

Pr Trabalhador: Como deve acontecer o trabalho de prevenção?
 
Marquinhos: A primeira coisa a Educação, mas para isso deve se levar em consideração o ambiente. Exemplo: Eu vou dar uma palestra em uma obra. Onde vai ser ministrada? Num refeitrio. Que condições est este refeitrio? Se as condições forem insalubres, ou seja, se o mesmo estiver sujo, frio, barulhento; claro que não darei a palestra l! Isto vai fazer mal para mim e para os trabalhadores que forem me ouvir.
 
Pr Trabalhador: Qual o papel do Tcnico de Segurança: fiscalizador ou educador?
 
Marquinhos:  Não somos inspetores de segurança ou fiscalizadores; e sim  educadores. Trabalhamos com conscientização dos trabalhadores.  
 
Pr Trabalhador: Quais as categorias com maior nmero de acidentes?
 
Marquinhos: Transporte rodovirio e Construção Civil. Com as terceirizações de mão de obras e muitas pessoas trabalhando na informalidade, o negcio acaba ficando ainda mais complicado do que a gente pensa.

Pr Trabalhador: Quais outras ações são importantes para a melhor qualidade de trabalho?

Marquinhos: Não podemos deixar de mencionar que as fiscalizações do Ministrio do Trabalho são sem duvida muito importantes, mas tambm o movimento sindical tem na maioria das vezes uma condição ainda maior na melhoria dos ambientes do trabalho, pois são eles que mantm um contato mais prximo dos trabalhadores e tambm dos empregadores, podendo em muitos casos utilizar de uma ferramenta importante que são as convenções coletivas de trabalho e tambm at em ltima condição a greve dos trabalhadores pela conquista de melhores condições nos ambientes de trabalho. Hoje um dos maiores problemas que temos nos locais de trabalho sem duvida alguma o Assdio Moral... Por isso, o ideal seria que as empresas tambm fossem conscientizadas a contratar outros profissionais tais como: Fonoaudilogos, Psiclogos, Nutricionistas, etc...
 
O tema Sade e Segurança do Trabalhador, e a especialização para profissionais que j atuam na rea, em breve volta a ser pauta, na agência de notcias do Pr Trabalhador. Continuem acompanhando e enviando sugestões para contato@protrabalhador.com.br