Home/ Editorias/ Diversidade/ Conselho Municipal da Pessoa com Deficincia debate Emprego e Trabalho

Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência debate Emprego e Trabalho

 
Descrição de Imagem: Foto do Conselho Municipal, na mesa diretora esão os palestrantes ao fundo um telão com os dados da palestra. Fim da Descrição de Imagem
A quem compete dizer o que uma pessoa ou não capaz de fazer? Foi o ponto alto do debate sobre Emprego e Trabalho, promovido na Câmara Municipal de São Paulo no ltimo final de semana. 
 
Publicado- 27-04-15
Texto- Regina Ramalho
Foto- Pr Trabalhador. 
 
Sbado, dia 25 e abril, o Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência (CMPD), realizou na Câmara Municipal de Paulo debate sobre Emprego e Trabalho. 
 
O evento contou com a participação do presidente do CMPD, Gilberto Frachetta, a conselheira Marly dos Santos, que presidiu a mesa de trabalhos, a coordenadora do Programa de Apoio Pessoa com a Deficiência (PADEF), Marinalva Cruz e a coordenadora da diversidade, no Centro de Apoio ao Trabalho (CAT) da Prefeitura, Luciana Alves dos Santos.
 
A conselheira, Marly dos Santos falou sobre a importância de conscientizar as empresas e as famlias sobre o direito a autonomia das pessoas com deficiência. 
“Fico muito brava quando as pessoas querem interferir neste processo, pois se a pessoa capaz de trabalhar, tambm capaz de dizer de que maneira quer usar ou gastar o seu prprio dinheiro”, afirma a conselheira. 
 
A coordenadora da diversidade Luciana Santos lembrou a necessidade de acompanhar a qualidade das vagas oferecidas pelas empresas. “No CAT acompanhamos as vagas oferecidas pelas empresas do momento da inclusão no sistema e mesmo aps o encaminhamento”, revela Luciana. 
 
“Não enviamos currculos para as empresas agendamos uma entrevista no PADEF ou na empresa para que empregador e trabalhador possam se conhecer e aconselhamos que seja feito um estgio para avaliar as potencialidades do candidato a vaga”, sugeriu Marinalva do PADEF durante a apresentação.
Aps a apresentação dos trabalhos desenvolvidos nos três rgãos, as pessoas com deficiência presentes, parentes ou outros interessados tiveram a oportunidade de fazer perguntas ou explanarem seus pensamentos sobre o Emprego e Trabalho.
 
O administrador de empresas da Viva Acessibilidade, Vinicius Schaefer nasceu surdo, se comunica por intermdio de Lngua Brasileira de Sinais (Libras) e cobrou das esferas, mais pessoas capacitadas para o atendimento em Libras. 
 
“Faltam pessoas capacitadas para facilitar a comunicação entre surdos e ouvintes em diversos contextos do cotidiano”, explica Schaefer. 
A pedagoga Silvia Souza Santos, cadeirante em razão da poliomielite na infância, cobrou mudanças na forma de avaliação do que cada deficiente ou não capaz de fazer, principalmente quando o assunto concurso pblico. 
 
Silvia j foi aprovada em diversos concursos pblicos como pedagoga, chegando inclusive a atuar no interior de São Paulo no ramo. 
“S não permaneci no cargo, porque o meu deslocamento para o interior era muito desgastante”, explica Silva. 
 
“Em 2014 passei em outro concurso pblico, s que desta vez em São Paulo, passei por quatro etapas para assumir o cargo, mas quando chego na avaliação mdica, eles alegam que minha deficiência por ser severa não me permite a atuação no cargo”, conta. 
 
Os trabalhos foram encerrados com a explanação do presidente do CMPD, Gilberto Frachetta.
 
“O mdico não pode ser quem avalia a competividade da pessoa com deficiência, apenas as  suas condições de sade, porm essa uma discussão que não termina hoje”, afirmou Frachetta, convidando os participantes do Grupo de Trabalho, para novos encontros. 
A equipe de jornalismo e administração do portal de notcias do Pr Trabalhador, tambm participou da mesa de debates expondo a importância de canais de divulgação que tratem da inclusão no geral. 
 
“O trabalho uma benção que nos ajuda a crescer e evoluir como pessoas e o Pr Trabalhador busca levar informação de empresas ou rgãos que estão fazendo algo diferente que colabore para a inclusão ou mudança de culturas, por intermdio da diversidade”, Fabio Marques, gerente comercial. 
 
Sobre o Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência: CMPD o rgão de representação das pessoas com deficiência perante a Prefeitura de São Paulo. Sua função elaborar, encaminhar e acompanhar a implantação de polticas pblicas de interesse da pessoa com deficiência na sade, na educação, no trabalho, na habitação, no transporte, na cultura, no lazer, na acessibilidade ao espaço pblico e nos esportes.
 
O CMPD ainda promove atividades de integração das pessoas com deficiência, alm de fazer e receber denncias de discriminação.
 
 Outras Informações: 
 
CMPD – Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência 
http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/pessoa_com_deficiencia/conselho/
 
Programa de Apoio Pessoa com Deficiência, Governo do Estado
http://www.emprego.sp.gov.br/emprego/programa-de-apoio-a-pessoa-com-deficiencia/
 
Centro de Apoio ao Trabalho, da Prefeitura
http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/trabalho/espaco_do_trabalhador/centro_de_apoio_trabalho/